Pular para o conteúdo principal
pesquisa

Como parte do seminário "Fronteiras, circulação, interculturalidade e interações homem-ambiente", os laboratórios LEEISA e MINEA, em colaboração com o DFR LSH, estão organizando uma palestra intitulada "A luta dos migrantes pela liberdade de circulação: o caso da fronteira franco-italiana e a cidade fronteiriça de Ventimiglia", na sexta-feira, 8 de dezembro de 2023, das 18h às 20h, no F 108.

Este artigo tem como objetivo descrever a batalha entre o movimento social autônomo de migração e o regime de mobilidade europeu e nacional no contexto das chamadas "fronteiras internas do espaço Schengen de livre circulação".

A reintrodução de controles pela França ao longo de sua fronteira nacional com a Itália precisa ser avaliada no contexto europeu mais amplo da "crise" desencadeada pela escala da migração nos últimos anos. Desde 2015, de fato, práticas de verificação e rejeição de movimentos não autorizados começaram a se materializar em trens e ônibus transfronteiriços, em estradas provinciais, em pedágios de autoestradas e até mesmo em trilhas nas montanhas, em detrimento de pessoas racializadas. Isso não levou a uma interrupção dos fluxos migratórios, pois as pessoas ainda conseguem passar, mas aumentou o custo humano da viagem em termos de mortes, ferimentos, fadiga e sofrimento. Nesse sentido, as práticas de auto-organização dos migrantes, as infraestruturas sociais da solidariedade europeia e o ambiente não humano desempenharam um papel fundamental para permitir a ocorrência de movimentos não autorizados.

Ventimiglia está localizada na costa da Ligúria, a apenas 6 km da fronteira franco-italiana. Essa cidade de 20.000 habitantes, situada no coração de uma área de fronteira historicamente porosa, tem uma longa tradição de comércio, alfândega e atividades de contrabando. A reintrodução dos controles de fronteira em 2015 remodelou radicalmente a paisagem social do local, como havia se tornado após a liberalização do movimento sob o Acordo de Schengen. A cidade se tornou tanto uma área de espera informal e um centro de informações para pessoas em trânsito quanto um local para o gerenciamento, a discriminação e a repressão da população migrante.

O Ponente da Ligúria, deformado pela sensibilidade do escritor de San Biagio della Cima, com suas inúmeras pequenas histórias fronteiriças, aparece como protagonista absoluto da narrativa, e a entidade fronteiriça a caracteriza de forma decisiva. A relação entre a escrita de Biamonti e a fronteira é íntima e intensa, e os leitores podem se inspirar nela para refletir sobre temas caros ao autor: em primeiro lugar, o antigo pietas em meio à tempestade da história.

Sobre o palestrante
Ivan Bonnin é sociólogo crítico e atualmente é pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Gênova. Seus interesses de pesquisa variam de estudos de fronteira a capitalismo racial na Europa e no Mediterrâneo, de teoria social a relações internacionais "de baixo para cima". Desde 2015, Ivan tem trabalhado extensivamente na área de fronteira de Ventimiglia, onde realizou análises etnográficas de vários tipos. Como sociólogo e ativista, ele acredita na energia transformadora da solidariedade e apoia práticas democráticas radicais.

Fechar menu

Universidade da Guiana Francesa

pt_BRPortuguês do Brasil