Pular para o conteúdo principal
pesquisa

No âmbito do seminário "Fronteiras, Circulação, Interculturalidade e Interações Homem-Meio", os laboratórios LEEISA e MINEA, em parceria com o DFR LSH, têm o prazer de convidá-lo para uma conferência intitulada "Preenchendo os espaços em branco nos mapas para marcar suas fronteiras". Essa apresentação será feita por Matthieu NOUCHER, geógrafo e diretor de pesquisa do CNRS, e ocorrerá na sexta-feira, 12 de janeiro de 2024, das 18h às 20h, na sala F 002.

Toda cartografia tem seus próprios espaços em branco, lacunas e omissões, sejam eles deliberados ou inconscientes. Os historiadores da cartografia destacaram os interesses políticos desses silêncios cartográficos, especialmente durante os períodos de conquista colonial ou quando as fronteiras estavam sendo traçadas. A hipótese central deste trabalho é que os mapas em branco, longe de serem obsoletos, ainda hoje têm potencial heurístico para analisar os interesses políticos envolvidos nas representações simbólicas da fronteira. Agora que o Estado não tem mais o monopólio de branquear ou escurecer o mapa, como os mapas em branco são usados para (in)tornar visíveis determinados territórios? Que questões de (des)regulamentação informacional vêm à tona quando observamos as lógicas de omissão em ação atualmente, especialmente em áreas transfronteiriças cujos limites são, às vezes, incertos? A Amazônia, e mais especificamente a Guiana Francesa, é um lugar ideal para buscar respostas a essas perguntas. Histórica e simbolicamente marcada por espaços em branco no mapa, essa margem territorial pode, em muitos aspectos, ser considerada também como uma margem cartográfica. As investigações sobre três sistemas metrológicos para detectar garimpo ilegal de ouro, medir a biodiversidade e mapear assentamentos informais oferecem uma oportunidade de explorar sistemas das esferas institucional, científica, cidadã e indígena. Ao defender a importância da pesquisa empírica para ficar o mais próximo possível dos atores (produtores e usuários de mapas), dos sistemas (códigos e dados) e dos métodos (in situ e remotos), e ao desenvolver uma abordagem multissituada e interdisciplinar, combinando geografia, ciências da informação geográfica e estudos de ciência e tecnologia (STS), esta pesquisa faz parte do campo emergente de estudos críticos de dados. Com base nesses estudos de caso, ela leva a uma reflexão interdisciplinar sobre as duas principais formas de resistência ao preenchimento das lacunas nos mapas observados desde as margens do Maroni até os limites do Oyapock: contra-mapeamento e fuga cartográfica. Essa proposta permite visualizar, por um lado, uma geografia da ignorância geodigital que revela conhecimentos esquecidos, ocultos ou destruídos e, por outro lado, uma geografia da resistência geodigital que torna visíveis alternativas às representações espaciais dominantes. Juntas, essas duas lógicas da indisciplina cartográfica possibilitam a apreensão dos espaços em branco nos mapas contemporâneos como uma oportunidade de diversificar nossas formas de ver essas regiões fronteiriças, que estão longe de ser apenas "mundos vazios", como às vezes são descritos.

Sobre o palestrante

Matthieu Noucher é geógrafo, diretor de pesquisa do laboratório PASSAGES do CNRS em Bordeaux e vice-diretor da rede de pesquisa francesa em ciências da informação geográfica (GdR MAGIS). Ele publicou Pequenos mapas da Web em 2017 (Éditions de la rue d'Ulm) e co-editou o livroAtlas crítico da Guiana Francesa publicado em 2020 pelo CNRS. Em junho de 2023, ele publicou Cartões em branco e caixas pretas algorítmicasUma versão revisada e ampliada do volume inédito do dossiê da Habilitation à Diriger des Recherches (HDR) que ele defendeu em 2022 na Universidade Bordeaux Montaigne será usada como base para este artigo.

Fechar menu

Universidade da Guiana Francesa

pt_BRPortuguês do Brasil